quinta-feira, 26 de novembro de 2015

"Há mais alegria em dar (-se)" Primeira Semana do Advento...

 Caminha do Advento Natal "Há mais alegria em dar (-se)" (At 20,35)! Felizes os misericordiosos (Mt 5,7)!

O guião apresenta algumas sugestões, que ajudam a desenvolver o planeamento.(transcrevendo)
O cabaz é um dos símbolos usado nesta proposta, porque a cabaz do Natal e um dos gestos solidários mais significativos:

" …passando pelo cabaz da Bíblia…

(...) o cesto em que Moisés, filho de hebreus, o menino que chorava, é salvo das águas (Ex 2,1-10) pela filha do faraó e, deste modo, pode tornar-se sinal de proteção e salvação.

E pode lembrar-nos ainda o cesto em que os judeus colocavam as primícias de todos os frutos da terra, que ofereciam no altar ao Sumo Sacerdote (Dt 26,1-10), tornando-se expressão da gratidão para com o Criador de todas as coisas.

(...)o fim da opressão no Egito é simbolizado pelo salmista com esta afirmação: “aliviei os seus ombros do fardo, as suas mãos livraram-se de carregar o cesto” (Sal 81,7). Podemos ver neste “aliviar do cesto” um sinal da justiça e da libertação, operada por Deus na história, com a grande epopeia do êxodo.

(...)lembrar São Paulo foi libertado da perseguição dos judeus, em Damasco, sendo “descido num cesto, por uma janela, ao longo da muralha” (At 9,25; 2 Cor 11,33), para, deste modo, continuar o anúncio feliz do Evangelho.

…até à manjedoura de Belém!

Por este breve conjunto de textos, queremos ver no cesto, na cesta e no cabaz, de algum modo, uma espécie de símbolo da nossa salvação, o instrumento através do qual experimentamos o agir salvífico de Deus.

Neste Natal, o cabaz, que queremos apresentar, cheio de bons frutos, terá de ser “esvaziado”. Procuraremos que esse “vazio” aberto se encha de boas obras (expressas nos rolos de papel) e se torne assim “a manjedoura”, o lugar onde se alberga a nossa salvação. O cabaz familiar esvaziado no cabaz paroquial e este esvaziado na ajuda às famílias tornar-se-á então a manjedoura que abriga a vida d’Aquele pelo Qual todos somos salvos: “um recém-nascido, envolto em faixas e deposto numa manjedoura” (Lc 2,12)."

OS PASSOS DA CAMINHADA

Cada Domingo do Advento abrirá a semana com uma palavra-chave, a partir da Liturgia da Palavra, expressar-se-á com um gesto simbólico e proporá um desafio concreto.


Os desafios devem ser propostos por cada comunidade, tendo em conta a sua realidade concreta. 
(...)

Em cada Domingo do Advento, as famílias serão convidadas a trazer os seus rolos de papel e a depositá-los no grande cabaz paroquial (entretanto esvaziado), de tal forma que estes se “tornem” as “palhinhas” da manjedoura, que acolherá o Menino Jesus.
(...)
A referência bíblica diz respeito à citação bíblica que fundamenta a palavra-chave e a vivência semanal.
  • A palavra-chave é a palavra a valorizar, a partir de uma das leituras da Liturgia da Palavra de cada domingo.
  • O gesto simbólico, a realizar em comunidade e em família, traduz-se num gesto concreto, em três ações: encher, esvaziar, partilhar.
  • O desafio semanal é o imperativo, que leva à concretização da palavra-chave. Cada imperativo é acompanhado de algumas sugestões, para a vivência (pessoal) da caminhada, a serem enriquecidas por outras que estejam (mais) de acordo com o contexto de cada comunidade.
Exemplo: 1.º DOMINGO DO ADVENTO
  •  A referência bíblica: “O Senhor vos faça crescer e abundar na caridade uns para com os outros e para com todos (1 Ts 3,12).
  •  A palavra-chave: Caridade.
  • Gesto simbólico: Cada família (movimento, grupo paroquial) deve encontrar no seu espaço um lugar onde possa ser colocado um pequeno cesto (cabaz) que na noite de Natal acolherá o Menino Jesus. De acordo com as suas possibilidades, deve “rechear” este cabaz com algumas ofertas que queira partilhar com os mais pobres. Depois de recheados os cabazes, somos convidados a esvaziá-los, porque “há mais alegria em dar (-se)”. Este gesto pretende simbolizar a caridade e a solidariedade humana, à luz do Evangelho. 
  • Assim, na Eucaristia do domingo seguinte encontrar-se-á um momento e uma forma, para que os bens que cada um partilhou, sejam reunidos e colocados, em local visível, junto do cabaz paroquial. Este deve ser sinal da unidade, fraternidade e comunhão.
  •  Desafios para a vivência semanal: De acordo com o imperativo “Dá”, sugerem-se algumas formas concretas de vivência da palavra “Caridade”
Notas:
1. Antes da primeira semana do Advento, preparar o cabaz da paróquia. Convém enumerar os bens mais necessários ou urgentes a recolher, de acordo com as necessidades/carências concretas da comunidade.
2. Definir, de acordo com esta proposta, os diferentes “desafios para vivência semanal” a propor à comunidade.


Nenhum comentário: