sexta-feira, 13 de maio de 2016

Guião Semana da Vida "Cuidar da Vida - a Terra é a nossa casa"

"Ao propor a Semana da Vida deste ano, sob o tema Cuidar da vida - a Terra é a nossa casa, a Comissão Episcopal do Laicado e Família aponta o caminho da Encíclica Laudato Si, para assumirmos juntos a responsabilidade, a grandeza e a urgência da situação histórica que vivemos.

 Surpreendente, a questão da ecologia na Semana da Vida!? O Papa Francisco acorda-nos de um certo torpor e uma alegre irresponsabilidade. Como frequentemente acontece em épocas de crises profundas, que exigem decisões corajosas, diz, somos tentados a pensar que aquilo que está a acontecer não é verdade. E adverte-nos de um comportamento evasivo ... para mantermos os nossos estilos de vida e alimentarmos todos os vícios autodestrutivos ... como se nada tivesse acontecido (LS 59).

A degradação que causamos à nossa casa comum resulta da degradação humana que se processa em conjunto. Quando não se reconhece a importância dum pobre, dum embrião humano, duma pessoa com deficiência – só para dar alguns exemplos – dificilmente se saberá escutar os gritos da própria natureza (117) e pretender uma boa relação com o ambiente prescindindo da relação com as outras pessoas e com Deus, é um individualismo romântico disfarçado de beleza ecológica (119). 

Por isso, a ecologia integral constitui o coração da Carta do Papa Francisco, que é atravessada por alguns eixos: a relação íntima entre os pobres e a fragilidade do planeta, a convicção de que tudo está estreitamente interligado no mundo, a crítica do novo paradigma e das formas de poder que derivam da tecnologia, o convite a procurar outras maneiras de entender a economia e o progresso, o valor próprio de cada criatura, o sentido humano da ecologia, a necessidade de debates sinceros e honestos, a grave responsabilidade da política internacional e local, a cultura do descarte e a proposta dum novo estilo de vida (16).

 Francisco quer transmitir-nos a sua confiança: nem tudo está perdido porque nada anula por completo a abertura ao bem, à verdade e à beleza, nem a capacidade de reagir que Deus continua a animar no mais fundo dos nossos corações. E acrescenta: A cada pessoa deste mundo, peço para não esquecer esta sua dignidade que ninguém tem o direito de lhe tirar. (205)."

Nenhum comentário: