segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

FESTA DE NOSSA SEHORA DA COCEIÇÃO - Cucujães


FESTA DE NOSSA SEHORA DA COCEIÇÃO 7 e 8 de dezembro (próxima quarta e quinta-feira)

- Em 7, quarta-feira: Eucaristia solenizada, às 20.00 horas, na Capela de Nossa Senhora da Conceição, seguida de Procissão de Velas.
Na Igreja haverá a Eucaristia das quartas-feiras, às 19.00 horas.
- Em 8, quinta-feira: Dia Santo de Guarda e Feriado Nacional – DIA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO, PADROEIRA PRINCIPAL DE PORTUGAL.
As Eucaristias são como aos domingos nas Capelas e na Igreja.
Na Senhora da Conceição, a Eucaristia das 10.30 horas será mais solenizada, com Pregação. De tarde haverá o tradicional Cortejo e Leilão, com Convívio. Amanhã, dia 5, CONFISSÕES na Capela de Nossa Senhora da Conceição, às 21.00 h., preparando a Festa de Nossa Senhora da Conceição e também o Natal do Senhor, especialmente para a Comunidade de Nossa Senhora da Conceição.

Para toda a Comunidade Paroquial haverá Confissões Paroquiais, no dia 22 de dezembro, às 21.00 horas, na Igreja.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Itinerário Temático do Centenário Aparições de Fatima


"Em finais de 2010, acolhendo um explícito desafio do Papa Bento XVI, o Santuário de Fátima iniciou um itinerário temático de sete anos para a preparação e a celebração do Centenário das Aparições. 
Este itinerário tem como frase inspiradora e tema geral: O meu Coração Imaculado conduzir--vos-á até Deus
Entendemos que esse tema geral deveria ser igualmente o tema do último ano deste septenário, na formulação por extenso da promessa de Nossa Senhora à vidente Lúcia, na aparição de 13 de junho: «O Meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus».

Folha Paroquial II Domingo Advento 04-12-2016

terça-feira, 29 de novembro de 2016

"Uma Leitura Orante para a Semana" Diocese do Porto

Hoje é terça feira da 1ª semana do Advento, ainda te lembras das leituras do domingo passado?
Com a ajuda da nossa Diocese vamos refletir e orar:

"1- A primeira leitura do I Domingo do Advento começa com uma visão: a “visão de Isaías” (Is 2,1-5) e, deste modo, introduz-nos no “sonho”, que se traduz, concretamente, num mundo de paz, em que “se converterão as espadas em relhas de arado e as lanças em foices”. Grande programa de ação: converter instrumentos de destruição, em instrumentos de construção, a começar «em casa».

2- São Paulo desafia-nos a despertar do “sono” e… porque não do “sonho”?! Depois do “sonho” cabe-nos “acordar”, para “transformar a realidade”. Não queremos “sonhos” idílicos, impraticáveis. Mas sonhamos ir um pouco mais longe, em família, em comunidade… E, por isso, depois do sonho, é sempre preciso “levantarmo-nos”, “pormo-nos a caminho”. “Em família, devemos levantar-nos e agir. A fé não nos tira do mundo, mas insere-nos mais profundamente nele. Isto é muito importante. Devemos caminhar em profundidade no mundo, mas com a força da oração” (Papa Francisco, Discurso em Manila, 16.01.2015).

“Deus criou-nos para estarmos de pé. Existe uma bela canção que os alpinos cantam quando sobem. A canção diz assim: «Na arte de subir, importante não é o não cair, mas o não permanecer caído»! Ter a coragem de levantar-se, de nos deixarmos reerguer pela mão de Jesus. E esta mão muitas vezes chega até nós pela mão de um amigo, pela mão dos pais, pela mão daqueles que nos acompanham na vida. O próprio Jesus em pessoa está ali. Levantai-vos! Deus quer-nos de pé, sempre de pé” (Papa Francisco, Homilia no Jubileu dos Adolescentes, 24.04.2016)!

3- O Evangelho (Mt 24,37-44) anota “se o dono da casa soubesse a que horas viria o ladrão, estaria vigilante e não deixaria arrombar a casa”. Quanta esperança há na construção de uma casa, «assente sobre a rocha» e quantos riscos não corre esta casa de ser “arrombada” pela divisão, pela violência.

"(...)Toda a ameaça à família é uma ameaça à própria sociedade. O futuro da humanidade – como várias vezes disse São João Paulo II – passa através da família (cf. Familiaris consortio, 85). O futuro passa através da família. Por isso, guardai as vossas famílias. Protegei as vossas famílias! Vede nelas o maior tesouro da vossa nação, e alimentai-as sempre com a oração e a graça dos sacramentos.
 As famílias sempre terão as suas provações, não precisam que lhes junteis mais! Pelo contrário, sede exemplos de amor, perdão e solicitude. Sede santuários de respeito pela vida, proclamando a sacralidade de toda a vida humana desde a conceção até à morte natural” (Papa Francisco, Discurso em Manila, 16.01.2015).

4- Vigiar, em família, é sonhar acordado, pois “toda a casa é um candelabro” (Jorge Luís Borges, cit. por AL 8). A Igreja deve iluminar os seus problemas e acompanhar com solicitude e atenção, dando-lhes confiança e esperança, “como a luz do farol de um porto ou duma tocha acesa no meio do povo para iluminar aqueles que perderam a rota ou estão no meio da tempestade” (AL 291). Importa iluminar os seus problemas e estar atentos aos perigos!

5- Que casa sonhamos para nós? Qual é a casa dos nossos sonhos? Atenção, que não há famílias perfeitas (AL 325):

“Não há famílias perfeitas, mas isto não nos deve desencorajar. Pelo contrário, o amor aprende-se, o amor vive-se, o amor cresce «moldando-se» segundo as circunstâncias da vida que cada família concreta atravessa. O amor nasce e desenvolve-se sempre entre luzes e sombras. O amor é possível em homens e mulheres concretos que procuram fazer dos conflitos, não a última palavra, mas uma oportunidade. Oportunidade para pedirmos ajuda, oportunidade para nos questionarmos em que devemos melhorar, oportunidade para descobrirmos o Deus-connosco que nunca nos abandona. Este é um grande legado que podemos dar aos nossos filhos, uma ótima lição: é verdade que cometemos erros; é verdade que temos problemas; mas sabemos que estas coisas não são a realidade definitiva. Sabemos que os erros, os problemas, os conflitos são uma oportunidade para nos aproximarmos dos outros e de Deus” (Papa Francisco, Discurso na Festa das Famílias e Vigília de Oração, em Filadélfia, 26.09.2015).

Um texto inspirador

“No coração de cada homem existe, meus amigos, o desejo de uma casa. Ainda mais num coração jovem, há o grande anseio pela própria casa, que seja sólida, aonde não só se possa voltar com alegria, mas também onde com júbilo se possa receber cada hóspede que chegar. É a saudade de uma casa em que o pão quotidiano seja o amor, o perdão, a necessidade de compreensão, em que a verdade seja a fonte da qual brota a paz do coração. É a nostalgia de uma casa da qual se possa sentir orgulho, de que não se deva envergonhar e cujo desmoronamento nunca seja preciso chorar. Esta saudade não é senão o desejo de uma vida plena, feliz, bem-sucedida. Não tenhais medo desta aspiração. Não a rejeiteis! Não desanimeis ao ver casas desabadas, desejos malogrados, saudades dissipadas. Deus Criador, que infunde num jovem coração o imenso desejo da felicidade, jamais o abandona na cansativa construção daquela casa que se chama vida”.

BENTO XVI, Discurso aos jovens, Cracóvia, 27.05.2006
Diocese do Porto

Fotos da Celebração do dia Paroquial da Família Vicentina em Cucujães






sábado, 26 de novembro de 2016

Folha Paroquial - I Domingo Advento-27-11-2016


I Domingo Advento - Portal Dehonianos

ANO A
1.º DOMINGO DO ADVENTO
Tema do 1.º Domingo do Advento
A liturgia deste domingo apresenta um apelo veemente à vigilância. O cristão não deve instalar-se no comodismo, na passividade, no desleixo, na rotina, na indiferença; mas deve caminhar, sempre atento e vigilante, preparado para acolher o Senhor que vem e para responder aos seus desafios.

A primeira leitura convida os homens – todos os homens, de todas as raças e nações – a dirigirem-se à montanha onde reside o Senhor. É do encontro com o Senhor e com a sua Palavra que resultará um mundo de concórdia, de harmonia, de paz sem fim.

A segunda leitura recomenda aos crentes que despertem da letargia que os mantém presos ao mundo das trevas (o mundo do egoísmo, da injustiça, da mentira, do pecado), que se vistam da luz (a vida de Deus, que Cristo ofereceu a todos) e que caminhem, com alegria e esperança, ao encontro de Jesus, ao encontro da salvação.

O Evangelho apela à vigilância. O crente ideal não vive mergulhado nos prazeres que alienam, nem se deixa sufocar pelo trabalho excessivo, nem adormece numa passividade que lhe rouba as oportunidades; o crente ideal está, em cada minuto que passa, atento e vigilante, acolhendo o Senhor que vem, respondendo aos seus desafios, cumprindo o seu papel, empenhando-se na construção do “Reino”.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

"Com Maria e José, sonhar a alegria do Natal!" Caminhada do Advento - 1ª semana


resumo da 1ª semana - Cucujães
 “Toda a mãe e todo o pai sonharam o seu filho durante nove meses. (...) Não é possível uma família sem o sonho. Numa família, quando se perde a capacidade de sonhar, os filhos não crescem, o amor não cresce; a vida debilita-se e apaga-se. Neste sonho, para um casal cristão, aparece necessariamente o Batismo. Os pais preparam-no com a sua oração, confiando o filho a Jesus já antes do seu nascimento” (AL 169).

Estas palavras do Papa Francisco, dirigidas às famílias, nas Filipinas inspiram a nossa caminhada do Advento e Natal. Projetados no lema diocesano «Com Maria, renovai-vos nas fontes da alegria», queremos aqui, acrescentar e convocar a figura de José, o homem dos sonhos, para dar uma dimensão verdadeiramente “familiar” a esta nossa caminhada, fortemente inspirada na recente Exortação Apostólica Amoris Laetitia (AL), sobre a alegria do amor em família.
(...)
IV. SETE PASSOS NO CAMINHO DA ALEGRIA
Para cada semana, desde a 1.ª do Advento até à 1.ª do Tempo Comum, depois da Epifania, propomos:

1. Valorizar, semana a semana, um elemento ou figura do presépio
Não significa construir o presépio por etapas. Pode significar, simplesmente, colocar uma vela próxima da figura, ou iluminá-la, de modo especial, para aí formular e/ou guardar o “sonho”, que se torna compromisso familiar, paroquial ou de grupo. Trata-se também de se deixar inspirar pela força simbólica de cada uma das figuras.
 
IN: Caminhada Advento Diocese do Porto

Domingo dia 27 - Dia Paroquial da Família Vicentina em Cucujães

Dia Paroquial da Família Vicentina.
Toda a comunidade paroquial está convidada para em unidade e comunhão viver-nos este Dia do Senhor
Que é o 1º Domingo do Advento;
 E Dia da Nossa Senhora das Graças (da Medalha
Milagrosa)

ÁS 12h Eucaristia na Igreja Paroquial com a representação da Família Vicentina, a admissão de novos elementos na JMV (com indica no convite) mas em principalmente  todos os que com fé rezam diariamente "Ó Maria concebida sem pecada, rogai por nós que recorremos a vós"
"COM MARIA, RENOVAI-VOS NAS FONTES DA ALEGRIA"

De tarde a Família Vicentina estará de portas abertas na CASA SANTA CATARINA, no lugar da Costa para acolher todos os que desejarem partilha a alegria de conhecer melhor Santa Catarina de Labouré; Frederico Ozanam e S Vicente de Paulo, no aconchego da casa em redor da mesa.

Se quiser saber o que esteve na origem da construção da Casa de Santa Catarina de Labouré clique aqui



MISERICORDIA ET MISERA - SANTO PADRE FRANCISCO

NO TERMO DO JUBILEU EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA
a quantos lerem esta Carta Apostólica - misericórdia e paz!

"MISERICÓRDIA E MÍSERA (misericordia et misera) são as duas palavras que Santo Agostinho utiliza para descrever o encontro de Jesus com a adúltera (cf. Jo 8, 1-11). Não podia encontrar expressão mais bela e coerente do que esta, para fazer compreender o mistério do amor de Deus quando vem ao encontro do pecador: «Ficaram apenas eles dois: a mísera e a misericórdia».[1] Quanta piedade e justiça divina nesta narração! O seu ensinamento, ao mesmo tempo que ilumina a conclusão do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, indica o caminho que somos chamados a percorrer no futuro.

1. Esta página do Evangelho pode, com justa razão, ser considerada como ícone de tudo o que celebramos no Ano Santo, um tempo rico em misericórdia, a qual pede para continuar a ser celebrada e vivida nas nossas comunidades. Com efeito, a misericórdia não se pode reduzir a um parêntese na vida da Igreja, mas constitui a sua própria existência, que torna visível e palpável a verdade profunda do Evangelho. Tudo se revela na misericórdia; tudo se compreendia no amor misericordioso do Pai.
(...)
2. Aliás Jesus ensinara-o claramente quando, em casa dum fariseu que O convidara para almoçar, se aproximou d’Ele uma mulher conhecida por todos como pecadora (cf. Lc 7, 36-50). Esta ungira com perfume os pés de Jesus, banhara-os com as suas lágrimas e enxugara-os com os seus cabelos (cf. 7, 37-38). À reação escandalizada do fariseu, Jesus retorquiu: «São perdoados os seus muitos pecados, porque muito amou; mas àquele a quem pouco se perdoa, pouco ama» (7, 47).

O perdão é o sinal mais visível do amor do Pai, que Jesus quis revelar em toda a sua vida. Não há página do Evangelho que possa ser subtraída a este imperativo do amor que chega até ao perdão. Até nos últimos momentos da sua existência terrena, ao ser pregado na cruz, Jesus tem palavras de perdão: «Perdoa-lhes, Pai, porque não sabem o que fazem» (Lc 23, 34)."
(...)
IN: DIOCESE DO PORTO

Filhas da Caridade de S. Vicente de Paulo em Cucujães desde 1891

"Bendito seja o Senhor meu rochedo"

CLICA AQUI E LÊ AS NOTICIAS DO TRABALHO DESENVOLVIDO ENTRE 1982 E 1994 E VÊ MAIS FOTOS


quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Família Vicentina em Cucujães - Irmã Conceição Larangeiro

No 1ºDomingo do Advento,(27-11) celebra-se também em Cucujães, o Dia Paroquial da Família Vicentina.

Para falar da Família Vicentina em Cucujães temos que recordar a Irmã Conceição Laranjeiro que veio para a Comunidade das Filhas da Caridade na Gandarinha em Maio de 1971...
"Começou a sua missão chamando as jovens para um "curso de economia doméstica" ...
Desenvolve grande atividade com os jovens

1982 é fundada a Conferencia dos Jovens Vicentinos em Cucujães (Presidida pelo Fernando )  e Juventude Mariana Vicentina em 1984.

Em 2009 escrevia assim o Sr. Martinho:
"A melhor maneira de falar desta GRANDE IRMÃ COM ASPECTO FRÁGIL é ouvir o testemunho de alguns pais que hoje estão entre os 45 e 60 anos de Idade e os Jovens que lhes seguiram.
(...)
A Irmã Conceição aprendeu a andar de Motorizada e a partir desse momento não HOUVE MAIS NENHUM JOVEM ADORMECIDO EM CUCUJÃES pois a Irmã Conceição, na sua motorizada ia bater-lhe à porta. Incentiva-os a pedir aos pais autorização para frequentarem os grupos de Jovens.
(...)
Sei, que a admiração, o carinho, a paixão, o amor, que temos pela Ir.Conceição passou para os nossos Filhos, não sei explicar como foi, os tempos mudaram, a evolução do mundo foi muito rápida nestas ultimas décadas, mas reparo que a Irmã Conceição continua a fazer com os nossos filhos e com todos os Jovens que aceitam a sua mão, aquilo que fez comigo e por mim e por muitos outros ..."
E a Drª Carla:
"(...)
 Soube acompanhar todas as transformações do movimento, percebendo a evolução da sociedade e da Juventude e adaptando a sua ação às novas realidades.
(...)
Enfermeira, Catequista, Animadora, Formadora, Conselheira, Protetora, Amiga. Esta é as Ir. Conceição que conhecemos. Sempre apressada, sempre alegre, sempre com mil ideias na cabeça, com vontade de começar sempre de novo a fazer muito mais. Nunca desanima, nunca admite que o seu corpo já reclama algum descanso, nunca se esquece dos que dela precisam e a todos corre, conhecendo cada pobre , cada doente , cada jovem pelo seu nome.
Assim é a Ir. Conceição e nela vemos refletidas as virtudes de S. Vicente de Paulo."

O presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, condecorou a Irmã Conceição Laranjeiro com o grau de Comendador da Ordem da Instrução Pública a 21-11-2009 A distinção visava distinguir “personalidades e instituições que se distinguiram, enquanto agentes inovadores, ao longo das suas vidas e no exercício das suas atividades”
Em breves palavras, a homenageada sublinhou que “as Filhas da Caridade de S. Vicente de Paulo não nasceram para fazer discursos nem para receberem homenagens mas sim para servir os pobres” e as “comunidades onde estamos inseridas, no que lhe seja útil”.
(...)
O que eu faço é graças a uma comunidade em que estou inserida pois o projecto de servir é de toda a comunidade”