sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

EDUCAR PARA A ORAÇAO - 1ª parte


“Antes de ser um ensinamento, a formação religiosa é antes de mais uma formação para a oração.
 
Como formar para a oração as crianças a partir dos dois - três meses?
Principalmente pela oração: a oração não é primeiramente uma “formulação” uma recitação de formulas, mas é essencialmente uma vida de relação pessoal com Deus.
 
A criança pequenina que não sabe ainda falar, não vai pronunciar orações, mas ela é capaz de captar o“divino”. “
Ao ensinar à criança a arte da oração, estais a dar-lhe as primeiras noções religiosas fundamentais.
 
Trata-se de a ensinar a rezar, não de a fazer recitar orações. É a oração que cria os primeiros contactos da criança com Deus, e a dispõe a acolher a acção do Espírito Santo.
 
Ensiná-la a rezar é iniciá-la numa fé viva” (MgrChevrot).
É necessário que se crie um clima favorável que conduza ao silêncio, num quadro de calma e de recolhimento.
A atitude orante do adulto educa para a oração. É rezando que ensinamos as crianças a rezar É a nossa própria vida de oração que envolve a criança, como que por osmose. Quanto mais esta vida for profunda, mais a criança se poderá impregnar do divino. Daí a importância para o despertar da fé das nossas crianças, de termos nós mesmos uma vida real de oração. Será o motor da acção educativa na via da espiritualidade cristã.
 
Nesta fase etária, não é importante “explicar”, “ensinar-lhe” a religião, trata-se antes de lhe ensinar a viver sobre o olhar de Deus, de se saber amada por Ele e de O amar como resposta. É a oração que vai habituar a criança a viver na presença de Deus, a partir de algumas ideias muito simples, mas fundamentais. Deus é grande, Deus é bom: Ele gosta de mim, ama-me. Em resposta: Eu adoro-o, e para O amar, eu obedeço-lhe.
A criança pequenina é capaz de ir entendendo. São estas as bases da vida interior para a criança e que podem ficar para sempre.
 
Dois aspectos importantes:
  1.  Um elemento indispensável da oração é o silêncio e o recolhimento:
  2.  É no silêncio que a pessoa se pode encontrar com Deus. Esta formação para o silêncio com os pequeninos a partir dos 3-4 anos é não somente possível mas muito favorável, para que criança cresça na profundidade do seu ser em relação.
Quanto mais pequenina for a criança, mais breve deve ser a oração. Curta, mas bela: sobretudo evitemos a linguagem de bebé… mesmo com os mais pequeninos! Diante de Deus não usemos infantilismos. Não hesitemos em usar uma oração tirada dos salmos… O sentido de sagrado que o adulto dá à oração ajuda a criança a saborear o gosto do profundo e do essencial."

(continua)
Catequese Patriarcado de Lisboa

Nenhum comentário: