segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Solenidade de Todos os Santos

“Amanhã celebra-se a Solenidade de Todos os Santos.
Fomos criados à imagem de Deus, esta imagem formada por Deus, foi deformada pelo pecado, mas reformada pela Graça de Cristo, e será finalmente consumada na plenitude da vida.

Os Santos são a consciência que as pessoas têm da presença de Deus na sua vida. Assim a Igreja coloca-os como exemplo a imitar, servindo-nos de estimulo para seguirmos o mesmo caminho.

A canonização de um santo é um acto formal da Igreja para afirmar que determinada pessoa viveu na sua vida terrena os valores do Evangelho; fé, esperança, caridade, …

Alegremo-nos e celebremos festivamente este dia em honra de Todos os Santos e peçamos a Deus que nos ajude a viver cada dia mais santamente

Na Paroquia de Cuccujães as Eucaristias no dia 1/11 Dia de Todos os Santos são como aos domingos.
E de tarde, na Igreja, às 15.00 horas: Vésperas cantadas, seguidas de Procissão ao Cemitério, com Pregação

ORAÇAO

Felizes os pobres
... em facilidades e em bem-estar,
porque eles estão mais perto da santidade do Senhor Jesus.
Felizes os mansos... não os passivos...
mas os pacientes.
Felizes os que choram... não os que se lamuriam...
mas os que se compadecem e se solidarizam com os homens seus irmãos.
Felizes os que têm fome e sede de justiça...
aqueles que cuidam e que procuram matar a fome aos famintos e dar justiça
aos injustiçados.
Felizes os misericordiosos... pois perdoar não é fraqueza...
é recusar deixar-se petrificar frente à dor alheia.
Felizes os puros de coração...
os de coração simples e humilde... aqueles que frente a tudo e a todos falam
a linguagem da verdade.
Felizes os pacíficos... não os acomodados...
mas os que promovem a paz exponde-se a si próprios.
Felizes os perseguidos... mas que não se deixam abater...
os que permanecem firmes apoiando-se em Jesus e no Seu amor.

Senhor Jesus, ajuda-nos a viver no nosso dia-a-dia o espírito das Bem-aventuranças, que é
o espírito que não ensina a medir o amor... mas, contudo,
nos leva a amar com um amor sem medida...
Espírito que não calcula a generosidade... mas que dá sem olhar a quem...
Arrasta-nos, Senhor, no turbilhão desse Teu amor... um amor sem medida, porque é um
amor à Tua medida sem limites.
Amén.

Amora,
____________
Adaptação dum texto de
Carlos Afonso Schmitt, por M. J.
IN: DOC

domingo, 30 de outubro de 2016

Como foram as Jornadas Nacionais de Catequistas 2016?

Terminaram hoje as Jornadas Nacionais de Catequistas 2016 «Fazei tudo o que Ele vos disser» foi o tema das Jornadas que se realizaram no Centro Paulo VI, em Fátima, de 28 a 30 de outubro.
 
 EDUCRIS encontras todas as informações, vídeos das conferencias...vai até lá e colhe

Preparamos um pequeno trabalho com os link dos vídeos dos trabalhos apresentados no site EDUCRIS
" Na abertura das Jornadas Nacionais de Catequistas (JNC) o bispo de Santarém afirmou que "família e catequese estão unidas pela alegria da fé". (...)
Para D. Manuel Pelino Domingues a "verdadeira alegria vem do encontro com Cristo, que nos liberta e ilumina, levando-nos a formar uma comunidade e a ser fermento do mundo novo".
 
O prelado alegrou-se pela "preocupação de ligar família e catequese" que está "bem patente nas respostas dos catequistas das nossas dioceses" ao documento « a catequese: A alegria do Encontro com Jesus Cristo»:

" Assim a grande preocupação dos catequistas é conseguir encontrar respostas válidas que permitam aos pais um redescobrir a fé e serem, eles próprios, portadores desta alegria de conhecer e experimentar Jesus aos seus filhos".

Na Conferencia sob o tema «A alegria do Amor na família é o júbilo da Igreja» o professor na Universidade Católica Portuguesa José Eduardo Borges de Pinho referiu "que a primeira atitude da Igreja, e dos agentes de pastoral, deve ser a que "acolher com o coração agradecido e acolher os cinco pães e dois peixes" que as "famílias de hoje apresentam" e não se contentar "com discursos morais impregnados de doutrina mas longe da realidade de hoje":

"Este é o grande desafio da catequese e da Igreja na transmissão da fé nas familias", sustentou o professor, recordando que a tentação é seguir o mais fácil pois "é mais fácil propor religião, do que propor, caminhos firmes de descoberta de Jesus e da experiencia da fé".

Na manhã do segundo dia das Jornadas Nacionais de Catequistas (JNC) os agentes de pastoral iniciaram o seu dia com a celebração da eucaristia na Basílica da Santíssima Trindade, em Fátima.

Na sua homilia D. manuel Pelino Domingues, bispo de Santarém e presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF) convidou os catequistas a "reconhecerem-se como servos" evitando "a sede de protagonismo e deixando transparecer, através de si, o Mestre que é o verdadeiro protagonista do caminho da fé".

«Viver a espiritualidade mariana em família» foi a proposta com que a manhã deste sábado terminou nas Jornadas Nacionais de Catequistas 2016.
Ana Alexandra Nunes e Nuno Prazeres, juntamente com dois dos seus três filhos, partilharam com os catequistas uma "a nossa experiência de crescimento na fé como casal" que procura "descobrir a vontade de Deus a cada momento" e afirmaram a importância da vida cristã na construção do seu projeto de vida.
O casal afirma “A vida é um dom e como tal devemos vive-la em permanente açao de graças"

“A vida é uma dadiva, que cada dia é um presente maravilhoso, porque frágil, para ser acolhido com gratidão e nós procuramos também viver transmitir este estilo de vida Eucarístico aos nossos filhos praticando esta economia o dom acolher a vida com gratidão em espírito de serviço
 
Na Conferência «Maria, mãe, discípula e educadora» O bispo de Leiria-Fátima alertou os catequisas para o facto da "figura de Maria e a sua imagem" ser "o símbolo mais importante da cristandade ocidental depois da cruz". (...)
O primeiro pilar baseia-se na "contemplação da beleza do amor misericordioso de Deus por cada um de nós". O segundo pilar passa pela "contemplação da beleza da Igreja como povo do Senhor". O terceiro pilar passa pela "contemplação da vida com Cristo de quem foi mãe e a primeira e mais perfeita discípula".

D. António Marto convidou os agentes de pastoral a "estarem atentos às muitas confusões que ainda persistem sobre a figura de Maria":

sábado, 29 de outubro de 2016

«Quero louvar para sempre o vosso Nome»

D. António Couto
"1. É preciso vir atrás, ao Domingo XIII do Tempo Comum, que celebrámos no dia 30 de Junho, para assistirmos ao início do caminho de Jesus da Galileia para Jerusalém. Foi nesse Domingo proclamado o Evangelho de Lucas 9,51-62. Aí começava também o caminho longo e intenso da formação de Jesus aos seus discípulos de todos os tempos.

2. Estamos agora, quatro meses depois, no Domingo XXXI do Tempo Comum, dia 30 de outubro, e Jesus atravessa a cidade de Jericó, antes de entrar na última etapa do seu percurso, 27 km de uma longa subida que o levará a Jerusalém. Jericó é um belo e aprazível oásis que se estende por cinco quilómetros, situado a cerca de 300 metros abaixo do nível do mar. Jerusalém situa-se a cerca de 800 metros acima do nível do mar. O caminho de Jesus, e dos seus discípulos com Ele, torna-se agora, portanto, uma intensa subida física e espiritual.

3. A assinalar esta passagem de Jesus por Jericó, aí está mais um encontro decisivo, instrutivo e salvador de Jesus (Lucas 19,1-10), «que veio PROCURAR e SALVAR o que estava perdido», como Jesus diz de si mesmo no final da narrativa (Lucas 19,10). No início da narrativa é-nos apresentado um homem, de nome Zaqueu, que era rico e chefe de publicanos, e que PROCURAVA VER (ezêtei ideîn) QUEM É (tís estin) Jesus (Lucas 19,2-3a).

4. a 11. (...)

12. Para saborearmos melhor todos os sabores da liturgia deste Domingo, fica bem cantar com alegria renovada o grande hino alfabético que é o Salmo 145, até que vibrem as cordas do nosso coração. Orígenes classificava este Salmo como «o supremo cântico de ação de graças», e Agostinho viu-o como «a oração perfeita de Cristo, uma oração para todas as circunstâncias e acontecimentos da vida». E enquanto saboreamos as imensas riquezas que nos vêm de Deus: a sua graça, misericórdia, amor e bondade (Salmo 145,8-9), usando, para o efeito, toda a gama de sabores e todas as letras do alfabeto, continuemos a cantar: «Quero louvar para sempre o vosso Nome» (Salmo 145,1)."

IN: António Couto- Mesa da Palavra

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

31º Domingo do Tempo Comum – Ano C | Dehonianos

foto: Odres Nuevos
A liturgia deste domingo convida-nos a contemplar o quadro do amor de Deus. Apresenta-nos um Deus que ama todos os seus filhos sem excluir ninguém, nem sequer os pecadores, os maus, os marginais, os “impuros”; e mostra como só o amor é transformador e revivificador.

Na primeira leitura um “sábio” de Israel explica a “moderação” com que Deus tratou os opressores egípcios. Essa moderação explica-se por uma lógica de amor: esse Deus omnipotente, que criou tudo, ama com amor de Pai cada ser que saiu das suas mãos – mesmo os opressores, mesmo os egípcios – porque todos são seus filhos
.
O Evangelho apresenta a história de um homem pecador, marginalizado e desprezado pelos seus concidadãos, que se encontrou com Jesus e descobriu n’Ele o rosto do Deus que ama… Convidado a sentar-se à mesa do “Reino”, esse homem egoísta e mau deixou-se transformar pelo amor de Deus e tornou-se um homem generoso, capaz de partilhar os seus bens e de se comover com a sorte dos pobres.

A segunda leitura faz referência ao amor de Deus, pondo em relevo o seu papel na salvação do homem (é d’Ele que parte o chamamento inicial à salvação; Ele acompanha com amor a caminhada diária do homem; Ele dá-lhe, no final da caminhada, a vida plena)… Além disso, avisa os crentes para que não se deixem manipular por fantasias de fanáticos que aparecem, por vezes, a perturbar o caminho normal do cristão.

 31º Domingo do Tempo Comum – Ano C | Dehonianos

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Campanha Advento: "Natal: berço de acolhimento" SDEC Coimbra

Ontem passamos no SDEC Leiria/Fatima, hoje visitamos o SDEC Coimbra, onde o Campanha para o Advento 2016 já está publicada!
 
Parabéns assim é fácil planear organizar e implementar a proposta  que é: "subordinada ao tema genérico "Natal: berço de acolhimento".

Trata-se de uma iniciativa destinada ao setor específico da catequese, no sentido de aproveitar o tempo favorável do Advento preparando e convertendo o coração para nele acolher Jesus, o Salvador. E como acolhê-lo...?

 Se tivermos em atenção as palavras que o próprio Jesus um dia proferiu, a respeito do critério de julgamento das nossas obras
 - "O que fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes" (Cf. Mt 26, 31-46)
-,facilmente concluiremos que nos gestos de acolhimento que dispensamos aos outros se concretiza o acolhimento de Jesus.

Daí que esta proposta remeta para a indispensável ATENÇÃO ao que nos rodeia. Realidades humanas e sociais como o drama dos migrantes e refugiados, o desemprego, a precariedade no trabalho, a crise persistente, as carências de toda a ordem que afetam um grande número de famílias, são dramas que, com uma proximidade relativa, requerem atenção, envolvimento e ação das nossas comunidades, onde não há lugar para a indiferença.

Uma outra vertente que é explorada nesta Campanha é a Palavra de Deus proclamada na liturgia de cada um dos quatro domingos do Advento e plena de apelos a sentimentos, gestos e atitudes a assumir pelos catequizandos, pelos catequistas e pelas famílias.

Para além do apelo à ATENÇÃO (1.º domingo);
 apela-se à CONVERSÃO (2.º domingo);
 à ALEGRIA (3.º domingo);
e à disponibilidade e COLABORAÇÃO (4.º domingo).
 De referir que a campanha aqui apresentada surge articulada com a proposta da -´Lectio Divina'- da responsabilidade do Secretariado Diocesano para a Pastoral, de cujo guião adaptámos as orações. (...)

Caminhada Advento2016

"Encontros Vocacionais para a Catequese"

O SDEC Leiria  apresenta está proposta para a animação vocacional e como diz o Santo Padre na sua Mensagem para o  53º Dia das Vocações
"descobrir o tesouro da contemplação, partilhando a vida de clausura; conhecer melhor a missão ad gentes em contacto com os missionários; e, com os sacerdotes diocesanos, aprofundar a experiência da pastoral na paróquia e na diocese."
"(...)
Os encontros vocacionais "Tesouro Escondido", destinado aos grupos que se preparam para a 1ª Comunhão, e "Vem e Vê", para os grupos que se preparam para a Profissão de Fé, continuam disponíveis para os grupos paroquiais que os queiram propor. Oferece-se ainda o encontro “Jovens em Saída”, uma nova proposta para os grupos do 8º, 9º ou 10º ano de catequese, que consiste num encontro vocacional com uma proposta de voluntariado, em Fátima.

A proposta "Para além da Porta", procura ajudar os jovens pós-crisma a reflectir sobre a necessidade de um projecto de vida que aceite entrar nas portas que Deus a cada momento lhes abre como proposta do seu desígnio de amor, e acontece no encontro com uma comunidade religiosa ou vocação de consagração"

IN: Serviço Diocesano da Catequese Diocese Leiria Fatima.





terça-feira, 25 de outubro de 2016

Convento das Carmelitas atingido por “rocket”, em violento ataque contra a cidade de Alepo

médiumnoticia1477346610
1621
"O convento das Carmelitas, em Alepo, foi atingido no sábado à noite por um “rocket” na sequência do “intenso bombardeamento” daquela zona da cidade.

O ataque, que durou algumas horas, foi proveniente de zonas controladas pelas forças rebeldes que se opõem ao regime de Bashar al-Assad e provocou pelo menos 3 mortos e cerca de três dezenas de feridos, especialmente nos bairros de Hamdaniya e Salah-Eddin, situados, tal como o convento das carmelitas, na zona oeste da cidade.

O padre Fadi Naijar, em mensagem enviada para a Fundação AIS, em que mostra uma foto do “rocket” enterrado nos terrenos do convento, afirma que se tratou de um “grande míssil disparado pelos terroristas”, que, “graças a Deus, não explodiu”.

Este incidente foi também reportado à Fundação AIS, em Lisboa, por responsáveis da igreja maronita de Alepo que confirmaram “a queda do ‘rocket’ no jardim do convento das Carmelitas”, tendo sublinhado que, apesar do susto, não houve vítimas: “Ninguém ficou ferido”.

Esta não foi a primeira vez que o convento das Carmelitas esteve na mira das armas na guerra que está a destruir por completo grande parte da cidade de Alepo.

Já este mês, numa mensagem enviada para a Fundação AIS, estas irmãs denunciavam que “os bombardeamentos na parte oriental de Alepo são numerosos, mas a situação na parte ocidental da cidade não é melhor, apesar de a imprensa não o noticiar”.
 
E acrescentavam: “Essa parcialidade da informação faz-nos sofrer, porque somos diariamente testemunhas dos sofrimentos vividos nos vários bairros ocidentais da cidade: também nestes se contam, todos os dias, dezenas de mortos e feridos”.
 
Anteriormente, em Agosto, a irmã Anne-Françoise, uma das seis religiosas que vivem no convento, falava já nos “bombardeamentos e disparos” que se sentiam “muito próximos”.
 
Numa mensagem enviada então para a Fundação AIS, esta irmã francesa afirmava que, “graças a Deus”, os disparos “ainda não nos atingiram, mas ouvimos constantemente as balas por cima das nossas cabeças”.
 
Nessa mensagem, a irmã Anne-Françoise enviava um apelo em nome da sua congregação aos cristãos em todo o mundo: “Por favor, tenham piedade destes milhares de vidas desfeitas pela guerra. Por favor, não se esqueçam de nós. Precisamos das vossas orações e da vossa ajuda prática!” "

PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

sábado, 22 de outubro de 2016

"Rezar e evangelizae é a maneira de ser da Igreja"

O que D. António Couto nos diz na Mesa da Palavras vai até lá e serve-te.

Deixo-te aqui o inicio:

"1. Domingo XXX do Tempo Comum. Aí está, no Evangelho de hoje (Lucas 18,9-14), mais uma parábola de Jesus direitinha ao nosso orgulhoso coração. Trata-se da famosa parábola do fariseu e do publicano, que sobem ao Templo para rezar. O narrador fornece-nos, a abrir e a fechar a parábola, a respetiva chave de interpretação. Abre assim: «Contou ainda esta parábola para alguns que, convencidos de serem justos, desprezavam os demais» (Lucas 18,9). E a fechar: «Todo aquele que se exalta será humilhado, e aquele que se humilha será exaltado» (Lucas 18,14b). A intenção de Jesus não é, portanto, mostrar-nos a radiografia religiosa de duas figuras públicas e emblemáticas do seu tempo: um fariseu e um publicano. A intenção de Jesus é que a parábola nos atinja a nós, e dissolva o orgulho e a arrogância que nos habitam e orientam a nossa vida, quer na nossa relação com Deus, quer na nossa relação com o próximo."

VER MAIS AQUI

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

O Papa recebe participantes do Congresso Internacional da Pastoral Vocacional

Papa cita o exemplo da vocação de Mateus
para ilustrar a Pastoral Vocacional
Com a presença de quase 300 cardeais, bispos e sacerdotes de todo o mundo decorreu desde quarta feira o Congresso Internacional da Pastoral das Vocações, em Roma promovido pela Congregação para o Clero

"Hoje na "Cidade do Vaticano (RV) – O Papa concluiu sua série de audiências, na manhã desta sexta-feira (21/10), recebendo na Sala Clementina, no Vaticano, cerca de 255 participantes no Encontro Internacional de Pastoral Vocacional, promovido pela Congregação para o Clero.
(...)

O Papa afirma que tudo isso é importante, mas a Pastoral Vocacional é bem mais do que isto “é um encontro com o Senhor”. A acolhida de Cristo é um encontro decisivo, que ilumina a nossa existência, nos livra da angústia do nosso pequeno mundo e nos torna discípulos apaixonados pelo Mestre:
“A Pastoral Vocacional é aprender o estilo de Jesus, que passa pelos lugares da vida cotidiana, se detém, sem pressa, e, olhando os irmãos com misericórdia, os conduz ao encontro com Deus Pai. Ele é o ‘Deus conosco’, que vive entre seus filhos, não teme misturar-se entre a multidão das nossas cidades”.

“A Pastoral Vocacional precisa de uma Igreja em movimento, capaz de ampliar seus confins, com base no grande coração misericordioso de Deus... Devemos aprender a sair da nossa rigidez, que nos tornam incapazes de comunicar a alegria do Evangelho, das fórmulas anacrônicas e das análises preconcebidas, que envolvem a vida das pessoas em esquemas frios”.

Neste sentido, dirigindo-se sobretudo aos pastores da Igreja, aos Bispos e aos Sacerdotes, o Papa disse: “Vocês são os principais responsáveis das vocações cristãs e sacerdotais; saindo, vocês podem ouvir os jovens, ajudá-los a discernir as ações dos seus corações e orientar os seus passos. Somos chamados a ser pastores no meio ao povo, a animar a pastoral do encontro e a dispor de tempo para acolher e ouvir os outros, sobretudo os jovens. A seguir, o Santo Padre explicou o segundo verbo, “ver”:
“Quando Jesus passa pelas ruas, pára e cruza seu olhar com o do outro, sem pressa. Eis o que torna atraente e fascinante o seu chamado. Hoje, infelizmente, a pressa e velocidade dos estímulos nem sempre deixam espaço ao silêncio interior, no qual ressoa o chamado do Senhor”.

IN Radio Vaticano

Preparar a Eucaristia - XXX Domingo T.C. - 23-10-2016 - PASSIONISTAS

copia do site Passionistas
1ª Leitura: Sir 35, 15b-17. 20-22a (gr. 12-14.16-18);
Salmo: Sl 33, 2-3. 17-18. 19 e 23;
2ª Leitura: 2 Tim 4, 6-8. 16-18;
Evangelho: Lc 18, 9-14.
“A oração do humilde atravessa as nuvens”

Seguindo a leitura contínua do Evangelho de Lucas deparamo-nos, neste XXX Domingo do Tempo Comum, com mais um texto exclusivo deste evangelista: a parábola do fariseu e do publicano.

É um texto que se insere no caminho de Jesus em direcção a Jerusalém onde fará o dom total de si para a vida do mundo e que pretende ser uma catequese sobre os valores do reino. Neste caso especial, pretende ser uma catequese sobre a maneira como nos colocamos diante de Deus e dos irmãos.

A nossa parábola começa por apresentar duas figuras tipo que eram bem conhecidas na época de Jesus: um fariseu e um publicano.

Os fariseus (separados) eram os membros de uma corrente judaica que teve o seu início no séc II a.c. Como o seu nome indica, os membros deste grupo separavam-se das pessoas que não conheciam ou não queriam conhecer a lei e não se relacionavam com elas. Segundo os fariseus, os preceitos relacionados com a pureza sacerdotal estavam presentes no Antigo Testamento e deviam ser observados também pelos leigos na sua vida diária. Também eram importantes para eles os preceitos que tinham a ver com a observância do sábado e com o pagamento do dízimo. Os fariseus defendiam a importância da prática de certas obras piedosas como o jejum e a esmola para servirem, no juízo final, de contrapeso aos seus pecados. Os fariseus também davam grande importância à ressurreição, à tradição oral e à esperança messiânica. Segundo eles o Messias ainda não tinha aparecido devido ao povo não se preparar na pureza e na santidade para a sua vinda.

Por sua vez, os publicanos eram cobradores de impostos ao serviço de Roma. Como cobradores de impostos eram considerados como os pecadores por excelência porque exploravam os pobres, praticavam a injustiça e não cumpriam as obras da lei. Como o sistema era propício a abusos os publicanos enriqueciam à custa da população e por isso eram mal vistos pela sociedade em geral e eram chamados de pecadores.

Diz-nos o texto que estas duas personagens subiram ao templo para orar. Dirigir-se ao templo para orar é encaminhar-se para Deus, por isso esse caminho é uma ascensão do homem até Deus, até à santidade de Deus que se inclina até nós para nos elevar com Ele. Não somos nós que nos elevamos diante de Deus, é Deus que com a sua graça nos eleva e nos dá à salvação.

No entanto, o fariseu, o homem religioso e irrepreensível por excelência, esqueceu-se desta grande verdade e por isso dirige-se ao templo para se encontrar com Deus com uma atitude menos própria.

O fariseu, como homem religioso que era, queria dirigir uma oração de acção de graças a Deus. No entanto, não era Deus que o fariseu louvava mas era a si próprio que se louvava. A oração do fariseu mais não era que um auto-elogio diante de Deus. O fariseu não louva os benefícios recebidos de Deus mas louva a sua própria bondade, as suas próprias obras e as suas próprias observâncias.

Assim sendo, o homem religioso por excelência mostra que sabe muito pouco do que é a oração e de quem é o Deus a quem se reza.

Por sua vez, o publicano, o pecador por excelência, também dirige uma oração a Deus e esta oração eleva-o porque diz-nos o texto “que este desceu justificado para sua casa”.

A oração do publicano foi escutada e mereceu de Deus a salvação porque se colocou diante de Deus com a atitude certa. Uma atitude de verdade, de reconhecimento da sua fragilidade e de reconhecimento de quem é verdadeiramente Deus.

Na verdade, neste texto também está em jogo a concepção que temos de Deus. O Deus do fariseu era um deus contabilista, um deus que conta as nossas boas obras para nos retribuir, um deus que está obrigado a dar-nos a salvação porque somos irrepreensíveis. Segundo, este esquema a salvação não aparece como algo que nos é dado gratuitamente da parte de Deus mas como uma conquista do homem. Não é Deus que salva o homem mas é o homem que com os seus méritos e virtudes se salva a si mesmo. No entanto, esta doutrina produz segregação e descriminação como nos mostra o evangelho de hoje.

Não se pode negar o valor do Homem, da sua dignidade e das suas capacidades. No entanto, isto não pode terminar na presunção da auto-suficiência que tanta escravização do homem pelo homem produz.

O homem diante de Deus tem de se colocar numa atitude de verdade. E verdade é a humildade de reconhecermos aquilo que somos. Nós não nos precisamos de engrandecer e envaidecer diante de Deus porque é Ele que, com a sua Graça gratuita, nos engrandece e embeleza com o dom da sua salvação.

O pecador voltou justificado a sua casa porque reconhece com verdade e diante de Deus quem é, reconhece a sua realidade de pecado necessitada de compaixão e de salvação. O seu Deus não é o deus dos méritos e o deus comerciante é o Deus gracioso e gratuito que gratuita e graciosamente salva o homem.

O evangelho deste domingo é um convite a pensarmos na imagem que temos de Deus e como nos relacionamos com Ele. Será que a nossa piedade e a nossa oração não se assemelham à do fariseu que exigia de Deus a salvação pelas suas boas obras? O que nos leva a fazer boas obras: o amor a Deus e aos irmãos ou a lógica da recompensa, do toma lá da cá?

Na nossa relação com Deus temos de ser humildes, temos de reconhecer quem somos de verdade com as nossas virtudes mas também com os nossos defeitos. Relacionando-nos com Deus em espírito de verdade e de humildade, Ele não nos humilha como alguns podem temer mas oferece-nos a sua salvação. Como dizia a primeira leitura desta celebração, “a oração do humilde atravessa as nuvens”. A nossa oração deve ser um momento de verdade diante do olhar amoroso de Deus que tudo esclarece e que tudo salva. Que a nossa oração, momento por excelência de comunhão com Deus e com os irmãos, não seja um pretexto de segregação e de exclusão mas algo que nos leve à salvação.

P. Nuno Ventura Martins

missionário passionista

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

"Vigília missionária com Maria..." Igreja Paroquial de Cucujães


"A atenção de toda a Comunidade Paroquial Próximo sábado, às 21h, na Igreja:

VIGÍLIA MISSIONARIA (véspera do Dia Mundial das Missões) AO RITMO MISSIONÁRIO DA PALAVRA Venham, juntos, rezar, cantar, adorar e agradecer. Somos cristãos. Não podemos calar a nossa Fé." (Folha Paroquial)

Como diz o Guião:
"Celebramos esta vigília missionária na conclusão do Ano da Misericórdia e em plena comemoração da data jubilar do Centenário das Aparições de Nossa Senhora, em Fátima A primeira missão da Igreja é introduzir todos no grande mistério da misericórdia de Deus contemplando o rosto de Cristo, sobretudo num momento como o nosso, cheio de grandes esperanças e de fortes contradições.” (MV 25) 
Nesta missão joga-se também a credibilidade da Igreja que “passa pelo caminho do amor misericordioso e compassivo.” (MV 10)Assim, podemos ver Maria como espelho e paradigma da vocação e missão da Igreja missionária, em saída, como na Visitação a Isabel, para levar a ternura e a misericórdia de Deus a todos, sobretudo aos pobres e aos aflitos, lembrados no Magnificat. 
A partir daqui podemos compreender a missão de Maria, visível neste episódio: é a mãe atenta às dificuldades e necessidades dos homens, que as apresenta ao Filho para que não falte a alegria do Evangelho, da ternura e da misericórdia. É simultaneamente porta-voz e intercessora do povo e porta-voz da vontade do Filho, em cujas mãos põe tudo e n’Ele confia. Celebremos esta vigília missionária com Maria, como missionários da misericórdia."

PAIS E FILHOS- CATEQUESE NA FAMILIA: Caminhar juntos Pais e Filhos -2ª parte

PAIS E FILHOS- CATEQUESE NA FAMILIA: Caminhar juntos Pais e Filhos -2ª parte: Cada vez mais as crianças chegam à catequese paroquial sem terem vivenciado, como tal, os valores da fé no seio da família.  As ativid...

CLICA E LÊ MAIS

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

1º ano da catequese, pais e filhos juntos

"O 1º encontro da catequese do 1º ano é fundamental ser bem preparado para superar as expectativas dos pais e das crianças!
Para a maioria tudo é novo!
É importante dizer aos pais que a catequese não é como a escola!
A catequese é uma caminhada para a descoberta do Amor!

Nenhum pai ou mãe quer que o seu filho caminhe sozinho, principalmente quando é pequeno e desconhece o caminho!
Então, a proposta para uma catequese em casa,é caminhar juntos na descoberta de Jesus Vivo.

 Não vamos inventar nada porque temos um catecismo e um guia do catequista para fazer as catequeses, só precisamos espalhar algumas flores no caminho.

Para o acolhimento do 1º encontro com pais sugerimos um quebra gelo simples que facilite a apresentação dos pais Uma dinâmica exp: - cada um diz o seu nome e o nome da filho/a  e todos respondem:
- bem-vinda(o) "MMM"
e vai continua assim, até todos os pais se apresentarem.
 Agora, juntos como irmãos rezamos ao Pai: De pé "Jesus disse: "onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles" Glória ao Pai...
 Para que os pais conheçam a caminhada do 1º ANO – “JESUS GOSTA DE MIM” elaboramos um folheto."

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Santuario de Fátima -" Um dia com crianças"


"O Santuário de Fátima conta com uma proposta de âmbito pastoral direcionada para as crianças, que se realiza regularmente no terceiro sábado de cada mês. Trata-se da iniciativa "Um dia com as crianças", que é de participação gratuita e contempla no seu programa momentos celebrativos e catequéticos.

A inscrição deve ser efetuada por meio do endereço eletrónico sepe@fatima.pt.

Programa

10h00 – Acolhimento e preparação para a celebração, na Capela da Ressurreição de Jesus, no piso inferior da Basílica da Santíssima Trindade

11h00 – Missa, na Basílica da Santíssima Trindade, com participação das crianças

12h15 – Catequese sobre a mensagem de Fátima

13h00 – Tempo livre para almoço

14h30 – Preparação da adoração eucarística

14h45 – Adoração eucarística

15h30 – Despedida, na Capelinha das Aparições"

IN: Santuário de Fatima

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

"Maria Tu nos conheces a todos"

Dia 12 Outubro - Oremos:
Pelos governantes das nações para que promovam o bem comum em prol da dignidade humana e tenham em particular atenção os
direitos dos cidadãos mais vulneráveis.

Maria,
hoje permaneci contigo
sob a cruz
e jamais sentira tão claramente
que foi sob a cruz que te tornaste
nossa mãe.
Como a fidelidade de uma mãe da terra
não escutaria solícita a última vontade do filho?
Mas tu, tu eras a Serva do Senhor;
o ser e a vida do Deus feito Homem
estavam inteiramente inscritos
no teu ser e na tua vida.
Foi assim que tomastes os teus no teu coração,
e foi com o sangue de teus sofrimentos
que resgataste cada alma para uma nova vida.
Tu nos conheces a todos: nossas feridas, nossas chagas,
tu conheces também o esplendor celeste
que o amor de teu filho
quer difundir sobre nós na claridade eterna.
Assim, guia solícita nossos passos.
Nem um preço é para ti
muito alto para conduzir-nos
ao fim.
Mas aqueles que
escolheste
para te seguir,
para te rodear, um dia, de perto
do trono eterno,
devem permanecer aqui contigo sob a cruz;
é com o sangue de seus sofrimentos
que devem encontrar o esplendor celeste
das almas preciosas
que o Filho de Deus lhes confiou em
herança.

Poema de Edith Stein

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Peregrinação Jubilar Centro Pastoral Nª Sª Conceição

Se tiver imagens da Peregrinação da sua Paroquia ou Centro Pastoral ou...envie catequese.cucujaes@gmail.com

O que vês no Logotipo do Ano Santo da Misericórdia?

Aproxima-se o encerramento do Ano Santo da Misericórdia...
 
E hoje olhamos com mais atenção para o logotipo deste Ano Santo da Misericórdia, o que me diz?

Recordemos que: "A simplicidade que caracteriza os ícones não deixa lugar a representações supérfluas, apenas permite a inclusão dos elementos essenciais para uma percepção religiosa dos textos sagrados, mas através de imagens."
 
Assim reproduzimos o texto que acompanha a imagem no site do Ano Santo para também refletir.

"O logotipo e o lema colocados juntos oferecem uma feliz síntese do Ano jubilar. O lema Misericordiosos como o Pai (retirado do Evangelho de Lucas, 6,36) propõe viver a misericórdia no exemplo do Pai que pede para não julgar e não condenar, mas perdoar e dar amor e perdão sem medida (cfr. Lc 6,37-38).
 
O logotipo – obra do Padre jesuíta Marko I. Rupnik – apresenta-se como uma pequena suma teológica do tema da misericórdia.
Mostra, na verdade, o Filho que carrega aos seus ombros o homem perdido, recuperando uma imagem muito querida da Igreja primitiva, porque indica o amor de Cristo que realiza o mistério da sua encarnação com a redenção.
O desenho é feito de tal forma que realça o Bom Pastor que toca profundamente a carne do homem, e o faz com tal amor capaz de lhe mudar a vida.
Além disso, um detalhe não é esquecido: o Bom Pastor com extrema misericórdia carrega sobre si a humanidade, mas os seus olhos confundem-se com os do homem. Cristo vê com os olhos de Adão e este com os olhos de Cristo. Cada homem descobre assim em Cristo, novo Adão, a própria humanidade e o futuro que o espera, contemplando no Seu olhar o amor do Pai.

A cena é colocada dentro da amêndoa, também esta figura cara da iconografia antiga e medieval que recorda a presença das duas naturezas, divina e humana, em Cristo.
As três ovais concêntricas, de cor progressivamente mais clara para o exterior, sugerem o movimento de Cristo que conduz o homem para fora da noite do pecado e da morte.

Por outro lado, a profundidade da cor mais escura também sugere o mistério do amor do Pai que tudo perdoa.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

XXVIII Jornadas Nacionais da Pastoral Familiar -Diocese Porto


"Decorre até ao dia 14 de Outubro o período de inscrição para as Jornadas Nacionais da Pastoral Familiar que terão lugar em Fátima, no Seminário do Verbo Divino, nos próximos dias 22 e 23.

É desejo da Comissão Episcopal do Laicado e Família que as Jornadas sejam um alargado plenário nacional da Pastoral Familiar onde as Dioceses possam estar massivamente presentes, bem como as bases dos Movimentos da Família.

Não são Jornadas para representantes ou delegados, mas Jornadas para o Povo de Deus, que se evangeliza para poder evangelizar."


Para mais informações, consultar:

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar DP


Envia noticias; fotos; videos das atividades Paroquiais!

Neste Ano Santo da Misericórdia, a Vigararia Oliveira de Azeméis/S. João da Madeira elaborou extenso programa para a Igreja Jubilar de S Martinho de Cucujães que tem sido noticiado e lembrado mas Folhas Paroquiais, mas Igrejas....

Ontem foi um Domingo muito preenchido com Peregrinações Jubilares, o acolhimentos aos catequizandos, na Missa das 10h e das 12h e no Adro da Igreja a Feirinha para angariação de fundos para a Paróquia.

Talvez por isso temos fotos e (mais tarde) um vídeo para publicar.
Gostaríamos de postar registos das atividades nos vários Centros Pastorais da Paróquia, mas para isso é necessário que cada Centro registe imagens e noticias e envie para o email: catequese.cucujaes@gmail.com.

Vem participar mais ativamente do blogue podes mesmo ser colaborador/a ativo, para isso manda o teu email dizendo dessa disponibilidade.
Esperamos por ti
Grande abraço! Paz e Bem!
clica AQUI e vê mais fotos


clica AQUI e vê mais fotos 1º ano C Igreja

sábado, 8 de outubro de 2016

OBRIGADO JESUS, ÉS O MEU SALVADOR | Diocese de Aveiro | Amar a Deus é servir

(...)
"Lucas põe na boca de Jesus um sábio comentário em três perguntas que mais realçam a atitude do samaritano curado do que criticam os nove obedientes legais. E conclui: “Levanta-te e segue o teu caminho; a tua fé te salvou”. É a leitura profunda do que havia acontecido e a promessa da novidade a emergir na relação confiante, na fé agradecida, na liberdade vivida, na comunhão alcançada. Uma vocação a cultivar. Como ecoariam estas palavras no coração dos ouvintes! É que os samaritanos eram mal vistos pelos judeus e mantinham tensões religiosas fortes que, por vezes, chegavam a conflitos violentos. O elogio de Jesus ao samaritano curado da sua lepra tem uma riqueza simbólica universal: Deus não faz acepção de pessoas, todos os povos estão chamados a constituir uma só família humana, a riqueza da humanidade vem da integração das diferenças, a fé constitui uma mais-valia para o crescimento integral da pessoa, a ousadia “desobediente” é libertadora sempre que iluminada pela verdade."
OBRIGADO JESUS, ÉS O MEU SALVADOR | Diocese de Aveiro | Amar a Deus é servir

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

FEIRINHA POPULAR NO ADRO DA IGREJA PAROQUIAL

"próximo fim de semana FEIRINHA POPULAR
Como nos anos anteriores vai realizar-se no Largo da Igreja nos dias 8 e 9 de outubro a Feirinha Popular cujo produto reverte para obras e manutenção da Paróquia. Convidam-se todos os Paroquianos a participar quer marcando presença quer oferecendo géneros para as barraquinhas e para a venda: legumes, bolos, fruta, bordados, vasos de plantas, etc. (a oferecer no sábado, dia 8 de manhã ou de tarde)".
IN: Folha Paroquial

A Feirinha é sempre um grande acontecimento na nossa Paróquia, a comunidade envolve-se participando ativamente, se por acaso não estas envolvido aparece na mesma, vais divertir-te e podes sempre dar uma ajudinha!
ESPERAMOS POR TI!

Para recordares e aplaudires deixo-te este lindo tesourinho!!!!!!!!!!!


terça-feira, 4 de outubro de 2016

Festa da Nossa Senhora do Rosário

Próxima sexta-feira, dia 7 (1ª sexta-feira do mês) celebraremos a Festa de Nossa Senhora do Rosário, como nos anos anteriores, na Igreja Paroquial de Cucujães, às 21.00 h.
 
Nesse dia não há a Eucaristia das 19.00 h.
(...) convida-se toda a comunidade paroquial,  os Associados do Sagrado Coração de Jesus e especialmente os membros da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, e todas as famílias Cucujanenses  a participar na Festa Litúrgica, pois " COM MARIA, RENOVAI-VOS NAS FONTES DA ALEGRIA”.
 
ATENÇÃO: O Terço, neste dia 7 de outubro, é às 20.15 h.. Orienta o Apostolado da Oração.

"O Rosário, que apareceu entre os séculos XV e XVI, foi divulgado pelos Dominicanos, tornando-se uma das mais populares devoções marianas. Nossa Senhora recomendou-o insistentemente em Fátima.

A memória de Nossa Senhora do Rosário, inicialmente celebrada por algumas famílias religiosas, entrou na liturgia de toda a Igreja por disposição do Papa S. Pio V, dominicano, em 1572. Com essa festa, então abertamente chamada “comemoração da Bem-aventurada Virgem Maria da Vitória”, o Papa queria agradecer a Nossa Senhora a sua intervenção na vitória da frota cristã contra a dos turcos, em Lepanto, a 7 de Outubro de 1571. Atualmente celebra-se simplesmente a memória de Nossa Senhora do Rosário.
(...)
A devoção do Rosário encontrou na anunciação a Maria o primeiro quadro para contemplação. O colóquio entre Deus e a jovem Maria, mediado pelo anjo Gabriel, - “força de Deus” -, decorre num clima de serena e alegre disponibilidade obediente da humilde «serva do Senhor». A disponibilidade de Maria decorre da reflexão ou meditação sobre a palavra proferida pelo enviado de Deus. Maria tenta uma exegese da mensagem, verdadeiramente surpreendente, pois se trata de um grandioso projeto de Deus, que a envolve. A contemplação de Maria sobre o primeiro mistério do seu envolvimento evangélico e messiânico é iluminada pela disponibilidade do Senhor, pronto a dar explicações. Maria acolhe-as e medita-as no seu coração. Deus não impõe uma tarefa absurda, mas “esforça-se” por convencer aquele que chama a participar nela.
(...)
A atitude de Maria marca a primitiva comunidade e orienta-a para o uso dos meios que façam dela, o mais possível, comunidade do Senhor: a assiduidade ao “ensino dos Apóstolos”, a “união fraterna”, a “fração do pão”, a oração e a partilha dos bens (cf. At 2, 42.44).
Os primeiros monges pretendiam viver este mesmo espírito que animou, primeiro a Maria e, depois, a comunidade de Jerusalém. Daí a importância que davam à escuta da Palavra, à oração, à Eucaristia, à partilha de bens, à união fraterna. O mesmo espírito deve animar as nossas atuais comunidades. Daí a necessidade de usar os mesmos meios.

Oratio

Ó Maria, Mãe de Deus, Rainha e Mãe dos homens, eu vos ofereço as homenagens da minha veneração e do meu amor filial. Quero viver como vosso filho dedicado, consolando-vos e obedecendo-vos em tudo. Pela vossa poderosa intercessão, fazei que todos os meus pensamentos e ações sejam conformes à vossa vontade e à do vosso divino Filho. (Leão Dehon, OSP 4, p. 338).

IN:Portal Dehonianos

S. Francisco de Assis / Portal Dehonianos


4 Outubro 2016

S. Francisco de Assis nasceu em 1181, ou 1182. Filho de um rico comerciante, Francisco sonhava tornar-se cavaleiro. Desviado desse ideal, procurou com persistência vontade de Deus. O encontro com os leprosos, e a oração diante do Crucifixo na igreja de S. Damião, levaram-no a abandonar a família e a iniciar uma vida evangélica penitencial. Bem depressa o Senhor lhe deu irmãos dispostos a viverem o evangelho sine glossa, em fraternidade. O papa Honório III aprovou a Regra e a vida dos frades menores, em 1222. No ano seguinte, Francisco recebeu os estigmas do Crucificado, selo da sua conformidade com o único Senhor e Mestre. Faleceu em 1226, sendo canonizado em 1228. Grande amigo da Natureza, S. Francisco é padroeiro dos ecologistas. É também um dos padroeiros da Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus, Dehonianos.
(...)

Contemplatio

O Coração de Francisco foi, como o de Jesus, um porto de refúgio no qual todos os pobres corações humanos, agitados pela tempestade, podiam encontrar um asilo. O coração de Francisco foi um coração de apóstolo, um coração de fogo. Semelhante a um carro inflamado, percorria o mundo, ardendo por arrastar atrás de si todos os homens para os conduzir ao céu. O seu coração inflamado de amor gerou três ordens que deram e que dão tantos santos ao céu. Depois do capítulo geral da sua ordem em 1219, enviou religiosos para a Grécia, para África, para a França, para a Inglaterra, para aí estender o reino de Deus. Tinha reservado para si a missão da Síria e /323 do Egipto onde esperava encontrar o martírio! O coração de Francisco não estava simplesmente aberto às misérias morais, mas também às misérias físicas. Oh! Como amava os pobres e a pobreza! Como era terno para com os doentes e os aflitos! S. Francisco diz-nos a todos como S. Paulo: «Sede meus imitadores». A seu exemplo, entremos no Coração de Jesus pelo amor e pela imitação. (Leão Dehon, OSP 4, p. 322s.).

Actio

Repete muitas vezes e vive hoje a palavra:
“Carregai as cargas uns dos outros
e assim cumprireis plenamente a lei de Cristo.” (Gal 6, 2).

sábado, 1 de outubro de 2016

OUTUBRO MISSIONÁRIO 2016

"Não podes ir mas podes ajudar…
A missão é de Deus na qual somos chamados a cooperar. O Mês Missionário tem a sua origem no Dia Mundial das Missões (penúltimo domingo do mês de outubro).
A data foi instituída pelo papa Pio XI em 1926, como um Dia de oração e ofertas em favor da evangelização dos povos.
 O objectivo é incentivar, nas Igrejas locais, a cooperação missionária.
São apenas alguns os missionários e missionárias que partem. Porém, toda a comunidade tem o dever de participar ativamente na missão universal. Essa cooperação realiza-se de três formas:
- 1º pela oração, sacrifício e testemunho de vida;
- 2ºpor meio da ajuda material aos projetos missionários;
- 3º colocando-se à disposição para servir na missão ad gentes. As missões precisam de missionários e missionárias. Não podes ir mas podes ajudar!"

MENSAGEM DE SUA SANTIDADE PAPA FRANCISCO PARA O DIA MUNDIAL DAS MISSÕES 2016

Guião Outubro Missionário

Se quiseres participar na oração comunitária durante este mês Missionário às 18h30m na Capela de Santa Maria.

IN:Obras Missionárias Pontifícias

27º DOMINGO DO T C / Portal Dehonianos

Na Palavra de Deus que hoje  nos é proposta, cruzam-se vários temas (a fé, a salvação, a radicalidade do “caminho do Reino”, etc.); mas sobressai a reflexão sobre a atitude correcta que o homem deve assumir face a Deus. As leituras convidam-nos a reconhecer, com humildade, a nossa pequenez e finitude, a comprometer-nos com o “Reino” sem cálculos nem exigências, a acolher com gratidão os dons de Deus e a entregar-nos confiantes nas suas mãos.
 
Na primeira leitura, o profeta Habacuc interpela Deus, convoca-o para intervir no mundo e para pôr fim à violência, à injustiça, ao pecado… Deus, em resposta, confirma a sua intenção de actuar no mundo, no sentido de destruir a morte e a opressão; mas dá a entender que só o fará quando for o momento oportuno, de acordo com o seu projecto; ao homem, resta confiar e esperar pacientemente o “tempo de Deus”.
 
O Evangelho convida os discípulos a aderir, com coragem e radicalidade, a esse projecto de vida que, em Jesus, Deus veio oferecer ao homem… A essa adesão chama-se “fé”; e dela depende a instauração do “Reino” no mundo. Os discípulos, comprometidos com a construção do “Reino” devem, no entanto, ter consciência de que não agem por si próprios; eles são, apenas, instrumentos através dos quais Deus realiza a salvação. Resta-lhes cumprir o seu papel com humildade e gratuidade, como “servos que apenas fizeram o que deviam fazer”.
 
A segunda leitura convida os discípulos a renovar cada dia o seu compromisso com Jesus Cristo e com o “Reino”. De forma especial, o autor exorta os animadores cristãos a que conduzam com fortaleza, com equilíbrio e com amor as comunidades que lhes foram confiadas e a que defendam sempre a verdade do Evangelho."
 

S. Teresa do Menino Jesus, Virgem

"1 Outubro 2016 Hoje celebra-se a Festa de:
Santa Teresa do Menino Jesus que nasceu em Alençon, França, em 1873. É a filha mais nova dos Beatos Luís Martin e Célia Guérin, casal cristão exemplar. Aos 15 anos, Teresa entrou no Carmelo de Lisieux. A vida de clausura e de contemplação, a vivência da infância espiritual, não a impediram de ser missionária. Pelo contrário, viveu de modo extraordinário o ideal de Santa Teresa de Ávila: “Vim para salvar almas e sobretudo a fim de rogar pelos sacerdotes”. A entrega de amor fê-la vítima de amor. Faleceu aos 24 anos de idade, em 1897. Pio XI canonizou-a em 1925, proclamando-a Padroeira das Missões."

IN Portal Dehonianos

Oração

Deus de infinita bondade, que abris as portas do vosso reino aos pequeninos e humildes, fazei que sigamos confiadamente o caminho espiritual de Santa Teresa do Menino Jesus, para que, por sua intercessão, cheguemos à revelação da vossa glória. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
 (Capuchinhos)