segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

"Sentido de humor"

(...)
"2. O Carnaval é uma festa cristã que ao longo dos séculos pode ter sido desvirtuado. Originalmente, porém, tinha o sentido de preparação para o tempo de penitência que caracteriza a Quaresma. Alguns exageros levaram a que se chegasse a considerar o Carnaval como fonte de pecado. Nos séculos XVIII e XIX, com o jansenismo, chegou mesmo a ser considerado “ocasião de maldade” pelo que se instituíram as “40 horas de reparação”, com a adoração ao Santíssimo, nas igrejas. Tentou-se, depois, organizar carnavais com espírito cristão. Foi assim com os carnavais de Bolonha, liderados pelo Cardeal Lercaro, e até com o carnaval de Milão, com o Cardeal Montini, depois Papa Paulo VI. Se o Carnaval tem origem cristã, poderá perguntar-se como vivê-lo hoje:

. Com as festas das crianças que se mascaram com as fantasias dos seus heróis.

. Com os encontros de jovens que se divertem num convívio de grande alegria, com as bandas, com os cantares, com os papelinhos e serpentinas, com representações e tantas outras formas de cultivar o humor, mantendo o respeito que os verdadeiros amigos sabem ter uns com os outros.

. Com os “bailes de máscaras” para, entre famílias conhecidas, as pessoas se divertirem de uma maneira saudável, seguindo um mote que a todos foi proposto.

. Com os corsos que nas cidades e nas vilas cumprem tradições ancestrais e que se organizam durante muitos meses, com um convívio amigo entre os autores de cada carro alegórico. Nestes, a crítica faz parte do humor, mas não pode comprometer o respeito pela dignidade humana.

Há muita maneira de viver o Carnaval com o maior sentido de humor, mas com uma profunda marca cristã. As histórias que se contam, as graças que se improvisam, as partidas que se pregam, as festas que se organizam, tudo pode ser vivido no maior respeito por cada um. Assim, o Carnaval é um tempo de alegria para preparar o silêncio e a austeridade da Quaresma.

3. Viver o Carnaval pode ter perspectivas diferentes, sendo apenas uma oportunidade de aproveitar o tempo disponível. Cada pessoa individualmente, cada família, cada grupo de amigos pode organizar-se para programas comuns de natureza cultural ou espiritual.

. Fazer uma viagem há muito sonhada e para a qual nunca houve o tempo e a disponibilidade necessária.

. Passar uns dias num lugar bonito, num hotel junto ao mar, num turismo rural, na casa de um amigo, na hospedaria de um mosteiro, espaços de serenidade e de paz.

. Fazer um retiro, pessoal ou em grupo, com um bom orientador, para rever a vida, verificar os pontos a melhorar e assumir ser cristão com a maior exigência.

. Simplesmente estar em família e saborear a relação de amor, no casal, nos filhos, nos netos, com um envolvimento de ternura, sempre essencial à felicidade.

Há inúmeras maneiras de passar estes dias de Carnaval. O problema está em saber escolher a melhor forma de aproveitar este tempo para, com simplicidade e alegria, preparar o coração para o tempo santo de Quaresma que vem logo depois. Antes do Concílio Vaticano II, havia uma liturgia própria para este tempo de diversão. Na linguagem popular havia o domingo magro e o domingo gordo. Na linguagem litúrgica eram os domingos da septuagésima, da sexagésima e da quinquagésima. Era quase uma preparação do Carnaval. Se hoje se vive o Carnaval apenas em três dias, para o cristão deve manter-se cada vez mais o respeito por cada pessoa por mais interessante que seja a graça conseguida. É este o espírito do Carnaval cristão: cultiva-se a alegria e faz-se humor assegurando sempre os valores cristãos, onde a dignidade do outro tem sempre o primeiro lugar. Neste espírito, quanto melhor for o nosso Carnaval, melhor será a nossa Quaresma.

Pe. Vítor Feytor Pinto – Prior

Nenhum comentário: